Caso Mércia Nakashima | Corpo da advogada morta encontrado em Nazaré Paulista – Foto e Vídeo

Notícias sobre o caso Mércia Nakashima

Vídeos e Fotos sobre o caso da Advogada desaparecida Mércia Nakashima

Sexta feira 11/06

Terminou a busca pelo corpo de uma advogada paulista, que estava desaparecida há mais de duas semanas. Ela foi vista pela última vez em 23/05, e não voltou mais para sua casa.

As buscas que duraram 19 dias terminou nesta sexta feira 11/06 a beira da represa, na cidade de Nazaré Paulista, Grande São Paulo. Um homem voluntário que também estava ajudando a família a encontrar Mércia Nakashima, ele avistou do lado oposto àquele em que, na quinta, o carro foi encontrado com quatro metros de profundidade dentro da represa. Assista o vídeo

Mércia Nakashima pode ter sido mantida em cativeiro antes de ser assassinada

  • Enterro da advogada Mércia Nakashima

Faixa em homenagem a Mércia Nakashima foram colocadas no cemitério

Em 12/06/2010  a Advogada Mércia Nakashima é sepultada sob gritos de ‘justiça’

  • ATUALIZAÇÃO | 15/06 – 18:00 hrs

Pescador que viu carro de Mércia Nakashima afundar deu entrevista ao portal G1 e diz ter medo de ser morto

Leia trechos na íntegra.

  • G1 – O sr. está com medo?
    Testemunha - Quem fez esse crime tem dinheiro. Você se identificou ao entrar aqui, mas e se eu estou de costas trabalhando e chega alguém aí e diz: ‘É você mesmo’. E atira em mim ou me mata? Basta pagar uma mixaria para qualquer um fazer isso. Tonto ele [criminoso] não é. Deve ter algum dinheiro para ter feito uma maldade dessa.
  • G1 – Acha que o criminoso pode tentar procurar o sr.?
    Testemunha – Você é estudado, eu sei. Mas eu também estudei um pouquinho. Mesmo que o réu saia do júri, ele pode pôr alguém para ver quem entrou e falar para o acusado é o ‘fulano de tal’ [até o final da noite de terça, a testemunha afirmou não ter sofrido qualquer tipo de ameaça].
  • G1 – O sr. parece estar mesmo preocupado com o fato de ser a principal testemunha.
    Testemunha - Quando a gente ajuda acaba se prejudicando. Minha mulher está internada de nervoso depois que soube que eu tinha visto o carro da mulher que morreu na represa.
  • G1 – A polícia tomou algumas medidas de segurança em relação ao sr.?
    Testemunha - É proibido divulgar meu nome. Eu falei com eles [policiais] se eu tivesse essa garantia deles. Fui lá, assinei um bando de coisas, mas o doutor [delegado Antônio] Olim [do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa] me deixou à vontade para falar tudo o que vi. Ninguém me forçou a fazer nada. O que eu contei no depoimento é verdade. É o que eu vi. Estou com receio, mas vou continuar a minha vida, trabalhando.
  • G1 – O sr. pode contar o que viu naquele domingo?
    Testemunha - Foi no meio do dia, já depois do almoço, o horário em que eu cheguei [na represa]. Parei meu carro, armei o banquinho, sentei, preparei as varas. Parei lá. Aí escureceu, né? Geralmente vou pescar com minha esposa, e às vezes com meu filho, mas nesse dia fui sozinho e tinha sido a primeira vez em que eu fui pescar naquele trecho. É bom pescar à noite porque tem menos barulho e dá para pegar mais peixes. De dia há muitos banhistas. Quando foi umas 19h30 desceu um carro de farol aceso. Aí parou na ladeira, desligou o farol e deixou a lanterna acesa.
  • G1 – Em depoimento, o sr. disse ter visto um homem.
    Testemunha - O homem saiu do lado do motorista, deu a volta por trás do carro. Na hora em que ele saiu, eu ouvi gritos. Antes de jogar a vara, aí quando olhei, ouvi dois gritos. Aí, ouvi o barulho da água. Vi só a lanterna acesa debaixo da água
  • G1 – O sr. o viu empurrar o veículo?
    Testemunha - Eu não vi o cara empurrando. Aí eu não vi. Ouvi o barulho do carro entrando e vi a lanterninha afundando. Estava acesa e foi afundando, está entendendo?
  • G1 – Viu o rosto do homem?
    Testemunha - Não posso falar que eu vi a cara do homem porque eu não vi. Não sei quem é. Só sei que o cara era homem e era mais alto que o teto do carro.
  • G1 – Depois disso, o que aconteceu? O sr. pensou em denunciar o que viu?
    Testemunha - Não liguei para ninguém. Quem ligou para a família [de Mércia] foi o cabelereiro. Eu vi a matéria do caso na TV quando estava cortando o cabelo, acho que foi no sábado [dia 29 de maio]. Ele comentou que era um absurdo o sumiço da advogada, a TV mostrou o carro dela. Aí eu falei para ele que tinha visto algo estranho no domingo do dia 23. Falei que fui para a represa e à noite em tal hora chegou um carro parecido lá e caiu na água e não vi mais o carro.
  • G1 – Mas o sr. ajudou a família de Mércia a mostrar onde tinha visto o carro entrar na represa, não?
    Testemunha - Foi assim: O cabelereiro ligou para o 181 [Disque Denúncia]. Acho que foi do orelhão, mas não deu em nada e não deram importância [o Disque Denúncia, no entanto, diz não ter recebido tal ligação]. Aí, ele foi na casa do homem [pai de Mércia]. Depois, veio aqui com o pai da mulher que estava sumida e mais três pessoas da família. Aí fui com eles para a represa e mostrei mais ou menos onde era. Mais ou menos porque eu não tinha certeza.
  • G1 – O sr. consegue fazer um reconhecimento, identificar o homem que viu sair do carro da advogada?
    Testemunha - Não. Eu não prestei atenção no carro e no homem porque achei que estava descendo um pescador, né?
  • G1 – O sr. pretende voltar a pescar naquela represa?
    Testemunha - Vou continuar pescando, mas em outro lugar, em algum pesqueiro, em um lago. Minha única certeza é que não volto mais a pescar lá. Nunca mais quero voltar para aquela represa
  • Atualização – Quinta feira 24/06

Messias, ex-cliente de Mércia nega ter ameaçado ou matado advogada

Em uma entrevista ao portal G1, o ex-cliente de Mércia, Messias confirmou que teve uma dívida no valor de R$ 700 com a advogada, mas segungo ele, a dívida foi quitada posteriormente. Apesar disso, o excliente afirmou que jamais a ameaçou ou quis matá-la.

  • G1 – O ex-namorado de Mércia afirmou à polícia que o senhor já ameaçou a advogada, que desapareceu no dia 23 de maio e foi encontrada morta em 11 de junho.
    Messias  –
    Primeiro, eu trabalhei no dia 23. Foi num domingo, né? Eu trabalhei…inclusive minha esposa estava viajando no dia. Eu estava com meu cunhado. Eu tenho um negócio na [Rua] 25 [de Março] e, de domingo, a gente trabalha na rua. E eu faço cartão também e estava com cliente no dia. Fazendo orçamento, em torno de umas 19h até 22h, num bar. E a gente aproveitou e bebeu.
  • G1 – O senhor estava em São Paulo quando Mércia desapareceu?
    Messias
    Em São Paulo mesmo. Na região da 25 [de Março].
  • G1 – O senhor trabalha como ambulante?
    Messias
    – Eu trabalho com várias coisas. Trabalho com isso [mostra cartões de visita], trabalho com isso [exibe planos de empresas de segurança], rastreador, seguro. E vendo carregador de celular na 25 para entrar um dinheiro. Porque antes eu tinha uma barraquinha, mas a prefeitura tirou todas de lá.
  • G1 – Mas o senhor chegou a ameaçar Mércia? Mizael Bispo afirmou que a ex dele ficou com medo e pediu para ele buscá-la três vezes.
    Messias  –
    O que aconteceu foi o seguinte. Eu fiz o divórcio com ela [Mércia]. Depois, ela [advogada] me ligou para um dinheiro. Eu não tinha por que estava desempregado.
  • G1 – Ela ligou para cobrar honorários?
    Messias –
    Sim.
  • G1 – Quanto era?
    Messias –
    R$ 700. Mas o que aconteceu: eu casei [com outra mulher]. Ela não sabia que eu tinha casado. Aí o que aconteceu: eu não ameacei ela. Não ameacei.
  • G1 – O senhor conhece Mizael Bispo?
    Messias –
    Só uma vez eu vi ele. Foi quando fui fazer o orçamento [a respeito dos serviços da advogada Mércia].
  • G1 – O senhor foi ao escritório de quem?
    Messias –
    Dela [Mércia].
  • G1 – O senhor já ligou para Mércia a ameaçando?
    Messias –
    Eu nunca liguei. Ela [advogada] que ligava para mim. Você entendeu? Então foi isso o que aconteceu: ela ligou para minha irmã. E eu pedi para não ligar para minha irmã.
  • G1 – O senhor nunca ligou para a advogada?
    Messias –
    Não. Entendeu?
  • G1 – Então na sua versão foi Mércia quem ligou para o senhor cobrando os honorários?
    Messias –
    Sim. Aí ela me procurou e a única coisa que eu falei para ela foi o seguinte: por você ser advogada você não podia estar abusando assim comigo [SIC]. Mas só foi só isso e não teve nada de mais.
  • G1 – O senhor então estava bebendo no dia em que ela sumiu?
    Messias –
    Na verdade, eu não bebo. Estava num bar fazendo um orçamento de um serviço para um cliente.
  • G1 – Está casado há quanto tempo?
    Messias –
    Três anos.
  • G1 – É o mesmo tempo em que se divorciou?
    Messias –
    Sim.
  • G1 – Tem filhos?
    Messias –
    Só uma menina com a primeira mulher.
  • G1- E o senhor procurou a advogada Mércia para tratar do divórcio com a primeira mulher?
    Messias –
    Sim. E eu não estou entendendo o porquê disso [de ter sido citado pelo ex-namorado de Mércia como alguém que a ameaçou].
  • G1 – Chegou a pagar os R$ 700 que devia a advogada Mércia?
    Messias –
    Sim. Quitei tudo.
  • G1 – Desde então o senhor voltou a falar com Mércia?
    Messias –
    Nunca mais. A última vez foi em 2007. Eu a procurei na época porque morava em Cumbica e ela falou que dava para fazer o divórcio lá. Não teve contrato nem dada. Não teve papel, tudo foi feito em boca.
  • G 1 – Mas Mércia conseguiu dar andamento ao divórcio?
    Messias –
    Tudo. Quando ela resolveu fazer cobrança eu já estava casado. Foi logo no começo ali e acabou. Morreu esse assunto e nunca mais.
  • G 1 – O senhor teria algum motivo para matar Mércia?
    Messias –
    Se fosse alguma coisa assim [de matar Mércia] teria de ser uma pessoa [má]. Caramba, eu levo minha vida tranquila. Uma correria danada. Eu não tenho tempo para isso. O meu negócio é trabalhar.
  • Atualização – Quarta-feira, 30/06/2010

Advogada Mércia Nakashima levou um tiro antes de ser jogada na represa

  • Atualização -Segunda-feira, 05/07/2010

Fotos de Mércia morta caem na web

A Corregedoria da Polícia Civil do Estado de São Paulo se prontificou para apurar como aconteceu o suposto vazamento de fotos verdadeiras da advogada morta Mércia Nakashima, a imprensa foi informada nesta segunda-feira (5) pala Secretaria da Segurança Pública.

No total cairam na Internet oito imagens verdadeiras do corpo da advogada Mércia Nakashima e foram publicadas em diversos sites na internet, este foi um fato que incomodou e muito a família da vítima. Em nota publicada, o Instituto Médico-Legal (IML) não se responsabilizou e negou que tenha divulgado o conteúdo para alguém.

Além do IML, outros peritos do Instituto de Criminalística (IC) que estão analizando o caso da morte da Mércia e policiais civis também tiveram contato com o material vazado. Mas até agora, ninguém se responsabilizou pela distribuição das imagens que foram postadas na Internet.

  • Atualização -Segunda-feira, 12/07/2010

Mizael Bispo de Souza queria esconder corpo de Mércia, diz vigia em depoimento à polícia

  • Atualização -Quarta-feira, 14/07/2010

Justiça de SP suspende prisão de ex-namorado de Mércia Nakashima

A Justiça de São Paulo suspendeu a prisão de Mizael Bispo dos Santos, a justiça indeferiu nesta quarta-feira (14) a manutenção da prisão temporária do ex-namorado de Mércia,  Mizael Bispo dos Santos, suspeito pela morte de sua ex-namorada, a também advogada Mércia Nakashima. A Justiça também negou a conversão da prisão temporária em preventiva. A decisão é assinada pelo juiz Jayme Garcia dos Santos Júnior, da Vara do Júri de Guarulhos.

  • Atualização -Segunda-feira, 18/10/2010

Começa nesta segunda feira 18/10/2010, a primeira audiência do caso Mércia Nakashima

HOMENAGEM – Assista o vídeo em que mostra momentos inesquecíveis de Mércia Nakashima! Clique aqui

Termos
  • merçia nakashima morta
  • fotos de mercia nakashima morta
  • qual foi o aludo sobre o estado do corpo da advogada Mercia

Quer mais assuntos como este?

Nós gostamos de compartilhar temas como este no Facebook.
Clique em curtir abaixo e comprove.

(Satisfação garantida ou sua curtida de volta!)