quarta-feira , 16 agosto 2017
Capa > Gravidêz > Gravidez indesejada – Um problema econômico que atinge grande parte das famílias de baixa renda

Gravidez indesejada – Um problema econômico que atinge grande parte das famílias de baixa renda

Seja bem vindo(a)

Você está na categoria Gravidêz, leia sobre Gravidez indesejada – Um problema econômico que atinge grande parte das famílias de baixa renda, e outros relacionados sobre Gravidêz e faça bom uso do conteúdo!
Compartilhe!

O problema da gravidez indesejada tem merecido baixa atenção, embora recente
pesquisa do IBOPE, publicada em O Globo, dia oito de julho de 2007, tenha mostrado que
28% das mulheres que já tiveram filhos tenham declarado não ter planejado a gravidez.
As poucas preocupações com este fenômeno surgem na área da saúde pública. Contudo,
pode-se afirmar que a gravidez indesejada, além de ser um grave problema social e
demográfico, é também um problema econômico, tanto no plano microeconômico quanto
macroeconômico.
A gravidez indesejada é também um problema de gênero, já que são as mulheres
que sofrem “na pele” as conseqüências de prosseguir com uma gestação não planejada ou
as mazelas da interrupção forçada de uma gestação involuntária. Especialmente são as
mulheres pobres que mais sofrem com a gravidez indesejada, pois elas, na sua grande
maioria, não possuem acesso às informações e aos métodos contraceptivos adequados
para evitar ou remediar a concepção fruto do intercurso sexual realizado sem finalidade
generativa ou então de um coito forçado em situação de violência.
Em termos econômicos, a gravidez indesejada pode prejudicar toda uma família,
dificultando a mobilidade social ascendente, pois as mulheres são o maior elo de ligação
entre as gerações, uma vez que elas são fundamentais para o cuidado das crianças e dos
idosos, em especial, nas famílias monoparentais femininas. A gravidez indesejada
prejudica a mulher e a sua família de três maneiras:
a) quando a mulher busca
interromper a gravidez de maneira insegura resulta em maior mortalidade e morbidade
materna
;
b) uma prole maior do que a desejada significa menores recursos materiais e
culturais para ser divido entre um maior número de descendentes: c) maior número de
filhos, especialmente os indesejados, muito provavelmente está associado a maior
mortalidade infantil
.
Trabalho apresentado pela pesquisadora Suzana Cavenaghi, da ENCE/IBGE, no Congresso da ABRASCO, em 15 de julho de 2007, em Salvador, com base nos dados do
censo demográfico de 2000, mostra que as taxas de fecundidade total (TFT) das mulheres
vivendo em domicílios com renda per capita menor de ½ salário mínimo eram de 4 filhos
por mulher e a mortalidade infantil era de 35 por mil, enquanto para as mulheres com
mais de um salário mínimo de renda domiciliar per capita a TFT era de 1,5 filho por
mulher e a mortalidade infantil 25 por mil.
É preciso se avançar com as pesquisas para se entender melhor estas questões, mas não seria incorreto supor que, no nível microeconômico – do indivíduo ou da família
– a gravidez indesejada prejudica a saúde e as condições de inserção econômica da
mulher, prejudicando, conseqüentemente, os seus filhos e os demais membros da família.

Compartilhe!


O que acha? Adicione um comentário.
Este artigo sobre Gravidez indesejada – Um problema econômico que atinge grande parte das famílias de baixa renda, aborda alguns assuntos relacionados com Gravidêz, e foi atualizado em 2008-09-13
Compartilhar
Compartilhar