domingo , 20 agosto 2017
Capa > História do Brasil > A crise do feudalismo

A crise do feudalismo

Seja bem vindo(a)

Você está na categoria História do Brasil, leia sobre A crise do feudalismo, e outros relacionados sobre História do Brasil e faça bom uso do conteúdo!
Compartilhe!

A crise do feudalismo – História do Brasil

A crise do feudalismo

Durante o século XIII, com a atividade comercial florescendo por toda a parte, o feudalismo atingiu o ponto máximo de seu desenvolvimento, e a partir daí passou a apresentar os primeiros sinais de uma crise que se agravou no século XIV.

Dois problemas ameaçavam a ordem feudal: a falta de novas terras para onde se expandir e a carência de mão-de-obra. No final do século XIII, chegava ao fim à expansão cruzadista para o leste, e os europeus deviam contentar-se com suas próprias terras, cuja produtividade era reduzida pela contínua exploração e pelo lento progresso das técnicas agrícolas da época. A população crescia mais lentamente, mas faltava mão-de-obra nos campos, pois era contínua a fuga dos servos para as cidades onde se tornavam homens livres.

A crise do Século XIV

A falta de mão-de-obra tornou-se extremamente grave com a grande crise do século XIV, marcada por catástrofes que, parecendo anunciar o fim do mundo, só apressaram a liquidação do sistema feudal.

Primeiro foi a grande fome que, entre os anos 1315 e 1317, chegou a matar dez milhões de pessoas em toda a Europa. Algum tempo depois, de 1347 a 1350, mais de vinte milhões morreram com as Pestes Negras, originárias do Oriente. O continente foi também assolado por contínuas guerras, das quais a mais importante foi a Guerra dos Cem anos (1337-1453), entre França e Inglaterra.

As catástrofes do século XIV diminuíram consideravelmente a população, e nos campos, os senhores feudais aumentaram a exploração sobre os servos sobreviventes, <‘ fato que gerou grandes rebeliões camponesas, como a de Wat Tyler, na Inglaterra, em 1381, e a “Jacquerie”, francesa, em 1382. Essas rebeliões foram esmagadas, mas foi depois delas que o sistema feudal começou a declinar, com os próprios senhores aceitando a substituição do trabalho servil pelo assalariado

Crise e Desenvolvimento do comércio

As cidades também passaram por momentos críticos durante o século XIV, não só por causa das grandes catástrofes, mas porque a atividade comercial atravessou um período de estagnação, só superado no século XV.

No entanto, para as cidades e a nova economia, era uma crise de crescimento e não de morte. O comércio encontrava-se bloqueado no seu crescimento. De um lado sua expansão tornava-se difícil em termos geográficos: a bacia oriental do Mediterrâneo continuava monopolizada pelos italianos, e no Ocidente, o Atlântico afigurava-se um obstáculo intransponível e repleto de perigos tenebrosos. A outra causa da estagnação comercial foi a falta de moedas, uma vez que as minas européias de ouro e prata apresentavam-se esgotadas.

O comércio europeu começou a superar esses obstáculos geográficos e monetários no início do século XV, principalmente quando o pequeno reino de Portugal devas sou o Atlântico, obtendo na costa africana ouro e novas regiões para a troca, liderando o processo das grandes navegações oceânicas.

A crise do feudalismo e a expansão do comércio levaram ao desenvolvimento de monarquias nacionais fortes, em diversos países europeus, no momento em que a Idade Média ia chegando ao fim.

Compartilhe!


O que acha? Adicione um comentário.
Este artigo sobre A crise do feudalismo, aborda alguns assuntos relacionados com História do Brasil, e foi atualizado em 2011-05-22
Compartilhar
Compartilhar