quinta-feira , 23 março 2017
Capa > História do Brasil > Comércio e política mercantilista

Comércio e política mercantilista

Seja bem vindo(a)

Você está na categoria História do Brasil, leia sobre Comércio e política mercantilista, e outros relacionados sobre História do Brasil e faça bom uso do conteúdo!

Comércio e política mercantilista

Comercio e politica mercantilista

O século XI marcou o reinício do desenvolvimento do comércio em Portugal como no resto da Europa. No interior do país multiplicaram-se as feiras, enquanto as cidades marítimas, como Lisboa e o Porto, tornavam-se grandes centros comerciais, em contato com Itália, Inglaterra, Flandres, Holanda e Alemanha. A navegação comercial passava a utilizar experiências náuticas adquiridas com a pesca. Cada vez mais, os reis portugueses desenvolviam uma política de controle da economia e de proteção à classe
de mercadores.

O poder real protegia a realização de feiras e, em algumas regiões, chegava a tornar-se obrigatória a freqüência a elas. Quem molestasse um mercador podia ser multado e sofrer outras punições. Comerciantes eram freqüentemente elevados pelos monarcas à categoria de cavaleiros vilões. O poder real possuía barcos e controlava a maior parte da navegação.

As intervenções do poder monárquico eram as mais variadas na agricultura. Em 1253, os preços dos produtos e os salários agrícolas foram fixados por leis de Afonso III, Passada a “Peste Grande”, na década de 1350, faltava mão-de-obra no campo e o rei Afonso VI fez uma lei punindo, com açoites e prisões, o crime de vadiagem; ao mesmo tempo em que proibia a doação de esmolas. D. Fernando, o Formoso, pela Lei das Sesmarias *, obrigava os proprietários a cultivar as terras ou a ceder parte das mesmas
a quem o fizesse.

Além das rendas de suas propriedades agrícolas espalhadas por todo o país, os reis coletavam impostos e multas os mais diversos: “mulheres mundanas” pagavam um soldo por mês ao tesouro real; qualquer mulher pagava dois soldos pela permissão de ir à feira. Os fundos arrecadados faziam a força do Estado, sendo utilizados para diversos fins, as guerras, manutenção da corte, construção de castelos,’ fortalezas’ e igrejas; além do sustento de asilos e hospitais. Grande ajuda era dada à Igreja.



O que acha? Adicione um comentário.
Este artigo sobre Comércio e política mercantilista, aborda alguns assuntos relacionados com História do Brasil, e foi atualizado em 2011-05-23