O Início da Colonização

By

O Início da Colonização
O InIcio da Colonizacao
Logo depois do descobrimento, o Brasil permaneceu abandonado pelos portugueses, que continuavam a buscar as riquezas do comércio com a índia. Naquele momento, outras nações européias lançavam-se às grandes navegações e contestavam a divisão da América entre Portugal e Espanha. A costa brasileira passou a ser visitada por comerciantes e piratas franceses que tentaram implantar núcleos de colonização.
Ameaçado de perder o território recém-descoberto, Portugal procurou ocupá-lo de forma efetiva, encontrando na produção de açúcar uma forma de tornar rentável o empreendimento colonizatório.

A geografia da nova terra

A geografia da nova terraO território brasileiro apresentava-se de difícil acesso para os europeus. A viagem de Portugal até a Bahia, dificultada pelas correntes marítimas, demorava mais de quarenta dias. Em boa parte da faixa litorânea, predominava o clima tropical, calor intenso e regular, quebrado apenas pelas chuvas abundantes. A penetração no interior era dificultada por densas florestas e pelo reduzido número de rios navegáveis próximos do litoral.

A população indígena

As origens

origem da populacao indigenaExistem vanas teorias sobre as origens das populações americanas de antes da descoberta de Colombo. A mais aceita em nossos dias foi definida pelos cientistas do Museu do Homem, organização com sede em Paris, e chefiada pelo Dr. Paul Rivet. Segundo tal teoria o homem americano tem suas origens na Ásia e chegou à América há aproximadamente 25 mil anos, por dois caminhos: atravessando o Estreito de Bering e navegando pelo Pacífico Sul para chegar à costa ocidental da América. As várias partes do território americano foram ocupadas ao longo dos séculos. No Brasil, este povoamento ocorreu tardiamente, ou seja, há aproximadamente 10 mil anos.

Os índios brasileiros têm sido divididos, em termos lingüísticos, em dois grandes grupos: tupis e tapuias. Os tupis, os mais conhecidos, dividiam-se em tupinambás e tupiniquins.

A organização econômico-social

A grande maioria das populações indígenas, na época da descoberta, encontrava-se no estágio Paleolítico Superior e, portanto. não formavam civilizações como as dos as tecas, maias e incas, encontradas nos territórios da América espanhola. As atividades, econômicas predominantes entre os índios brasileiros eram a caça, pesca e coleta; a agricultura começava a desenvolver-se. Eram cultivadas, geralmente pelas mulheres, pequenas roças próximas das aldeias, utilizando-se, como no Brasil do século XX, técnica da coivara * para limpeza do terreno. Plantava-se milho, batata-doce, mandioca, abóbora e ervilha; arroz, algodão e cana, depois da chegada dos portugueses. Os animais domésticos conhecidos eram apenas papagaios, macacos e porcos. As comunidades indígenas constituíam uma economia de subsistência * que desconhecia o comércio e utilizava apenas a divisão sexual do trabalho.

No tocante à organização social, estavam divididos em tribos que não possuíam grandes distinções sociais. A poligamia era o traço básico da vida familiar, sendo bastante difundida a poligenia (um homem com várias mulheres) e, menos freqüente, a poliandria (uma mulher com vários homens).

A relação com os brancos

Logo depois do descobrimento, os contatos entre índios e brancos foram razoavelmente cordiais e marcados pelo escambo, ou seja, a troca de produtos. A exploração
do pau-brasil realizou-se com mão-de-obra indígena. Os nativos cortavam as árvores e conduziam os troncos às praias para serem embarcados, em troca de roupas, colares, braceletes, e mesmo facas, serras e machados. No entanto, não demorou a instalar-se a guerra entre brancos e índios. Franceses e portugueses, em luta pelo domínio do território, procuraram arregimentar e lançar à guerra as diversas tribos. Com o início da colonização, os portugueses procuraram utilizar o índio como mão-de-obra escrava, instaurando-se, a partir daí, um estado de guerra entre as duas raças em vários pontos do território, especialmente na Bahia, Espírito Santo e Rio de Janeiro.

Na guerra e nos demais contatos com os brancos, movidos pelo espírito do sistema capitalista, as populações nativas de toda a América levaram a pior, sofrendo um aniquilamento progressivo. No Brasil do século XVI existia aproximadamente um milhão de índios, enquanto no século XX, o total mal chega a 150 mil.